Comprei umas roupas num site chinês, usei o nome da Dilma. Perdi meu carguinho comissionado com essa história de Impeachment. O Temer é mesmo um golpista! Nesse país só tem marmota. Me identifiquei com a Marina, a Silva, pois a Ruy Barbosa é demais para mim. Será que amanhã já dá para comprar ações da Petrobrás? Ou é melhor esperar o Lula voltar? Uma pena que o Cauã Reymond não se interesse pela gente, ler a Philos é maravilhoso. Isso está fora do controle, mas dizem que é o teste para a nova edição… não sei ao certo o que será. Mandei a Odebrecht construir a nova sede da nossa casa editorial. O PSOL tem personalidade, a REDE também. O povo do Nordeste sofre, mas não é pela falta d’água não, é pela falta de cabra da peste. Emagreci tanto que dei queda na balança comercial. Nos escaninhos da corte de justiça, eu esperava mais da Cármen Lúcia, mas também coitada, é uma corja inteira para ela dar conta. E o Renan? Protesto de caminhoneiro e estudante, tudo igual. Mas estudante faz revolução. Marxista errático esse país de gente marrom. Recomendo que todos leiam as cartas sobre a felicidade do Epicuro, homem sensato. O MinC disse que ia patrocinar a gente, mas depois voltou atrás. No ano passado, ao longo do mandato, o prefeito da cidade fez críticas diretamente sobre a minha atuação contrária aos investimentos no carnaval. No final de fevereiro os meninos das escolas públicas já estavam sem merenda. Deu mal. Existe diferença de valores entre as igrejas, no caso, dos valores financeiros, os éticos quase não existem. Uma mulher de classe média alta escreveu um correio eletrônico para a gente, esquecemos de respondê-lo. Vivemos um tempo de fantasia; neste ano, é recomendado abrir os olhos. As supostas testemunhas negaram ter testemunhado o que quer que fosse. A esta altura, metade do país está abaixo da linha da pobreza e o governo vem falar em corte de gastos e aumento tributário. Neste ponto da história, devemos lutar pelas diretas já! O aquecimento global é um problema, devemos começar trocando aerossóis por roll-on. É desse tipo de imprensa que precisamos em tempos de austeridade. Errei ao não responder o e-mail do William Waack, ele queria ser colunista convidado, mas nós não estávamos interessados. Vocês já pararam para pensar como deve ser horrível ser editor de livros de Youtuber? Fico apreensivo. O Netflix não faz nada pela gente, mas é difícil diagramar textos fazendo maratona de Downton Abbey. A última vez que estive na Paulista, fazia um calor infernal; passei horas no ar-condicionado da Cultura do Conjunto Nacional. Melhor que um Tamagotchi, só mesmo essa edição da Philos, múltipla, máxima, mas nunca comum.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Escritor e Editor chefe da Revista Philos. Biomédico e Mestre em Genética pela Universidade Federal de Pernambuco. Cursou História crítica e social do pensamento, da literatura e das Artes (Portugal). É co-fundador da casa editorial Camará Cartonera e do Espaço Cultural Maus Hábitos (Brasil). Autor dos livros A tarde dos elefantes e outros contos (2014), Polissemia (2015) e Olhos de Onda (2016). Artista visual e colaborador do Espacio Cultural Violeta (Chile) e do Colóquio Escrever nas Margens (Portugal). Colabora com diversas revistas de literatura latina na Europa e América Latina.

One thought on “Múltipla, máxima, mas nunca comum.

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s