“Eu [Janus] sento-me às portas do paraíso com as gentis Horae: Júpiter vai e vem pelo meu escritório.”

Ovídio, Os Fastos, 1. 125.

Calare, calends, calendário, ainda não arribara o Ano do Senhor, ainda não havia um só amo, mas não faltaram anúncios, pregões, deprecações, sobre o escrínio gasto de Januário, que todos os anos como um velho porteiro, apontara os rumos aos viajantes, boas entradas. Por onde entramos, qual a nossa porta, o aeroplano está pronto para a descolagem, qual o algarismo, a letra, que a identifique, ou será uma cor, um relevo – estugar o passo, já se prepara para voar, e se não encontrarmos a porta, última chamada, calare, calends, e se –
Houvera o sol, a lua, os intercalários, e antes houvera o espanto, de o desconhecermos por inteiro, lembrar a primeira noite da primeira lua, não lembro – onde dormia o meu pensamento, o mistério de a sabermos levantar-se no momento preciso, o pressentimento. Poderá ser essa a medida do tempo, só um pressentimento, e assim esperamos sob os umbrais que nos pertencem, sob uma porta pressentida – anelada.
Calare, calends, calendário, a lua era o mês, era esse o seu epíteto, mês, de asa-longa, com o corpo de neve do firmamento, Januário recordara-a agora, num instante em que lhe apetecera arrojar com os seus trabalhos às calendas gregas, debruçado sobre avios de homens e mercancias, os eixos cruzados e recruzados sobre todos os semicírculos possíveis. Quantas portas existem – ela jorrara o leite de ossos de todos os átimos, governara os céus, da Mesopotâmia às câmaras vermelhas e cerradas da terra central – todos os reinos se vertem sobre si mesmos – e houvera quem recobrisse a sua fronha delicada de cerefólios e flores-de-mel. As usanças do gosto romano pelos regramentos, tinham deixado de a invocar solenemente à ágora, na noite da primeira adimplência perfeita do seu robe, embuçada e negra.
A batida das horas, chamamentos, de cobranças, impostos, dividendos, a primeira lua-nova, maestrina, marcara o compasso de todas as marés do ano – e aqui se assenta Januário, nem faces de sóis, nem faces de luas, um esgar sumítico, colhendo escritorárias as súmulas dos sumários encargos, não colherás antes o teu dia. Assim o chamámos mundo – forjámos as grilhetas maciças da nossa existência, e perdemos as chaves, condenados de nós mesmos. Regrados, resguardados -ou covardes, de um caos inerente, ou de um caos imaginário – desconstelar, os céus, as normas, os medos –
Calare, calends, calendário, chamados aos nossos afazeres, a boa-ordem fora outra, Januário amigara-a, uma jovem de passo leve, e duas irmãs, trouxera cestas de pastoreio no colo, desarmara com rosas o excesso e a insolência, fluía, na outra ordem, a sua, a da terra inabitada. As horas ardem nas achas das nossas insignificâncias, que tememos. As horas riram de roda com Januário, as irmãs, trouxeram a paz, trouxeram a justiça – que nos trazem as nossas horas, o que nelas trazemos.
Sim, Janus, que é o mesmo que dizer, Januário, que é o mesmo que dizer, Janeiro. Tivera duas faces – ou uma só: por aqui a guerra, por aqui a paz, por aqui a vida, por aqui a morte. Por aqui nós, com os nossos rostos, e as nossas passagens, para onde vamos, por onde –
qual a nossa porta
o que transportamos


helenabarbagelataHelena Barbagelata [Lisboa, 1991]. É licenciada em Ciência Política e Relações Internacionais pela Universidade Nova de Lisboa e Pós-graduada em Línguas, Literaturas e Culturas. Desenvolveu estudos de investigação em Língua, Pensamento e Cultura Helénica na Universidade Nacional e Capodistriana de Atenas. Vencedora do “Prémio Poesia e Ficção” (Edição de 2012), com a obra “O Mar de Todos os Deuses”, atribuído por unanimidade pela Associação Portuguesa de Escritores, Sociedade de Língua Portuguesa e pela Câmara Municipal de Almada. Colabora como autora e ilustradora em diversas publicações, destacando-se: Revista Subversa – Literatura Luso-Brasileira, Diversos Afins – Entre Caminhos e Palavras, e Mallarmargens – Poesia e Arte Contemporânea. Participa em antologias no espaço latino e tem sido agraciada em vários concursos internacionais. Publicou a obra Soliloquia (Apenas-Livros, 2013). É colunista e Curadora da Philos.

Posted by:Jorge Pereira

Jorge Pereira (Recife, 1994). Produtor cultural e agente literário baseado no Rio de Janeiro. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e membro do Oi Kabum! LAB do Oi Futuro.

Uma resposta para “Às portas de Januário, por Helena Barbagelata

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s