Feliz Ano Novo! – Diz-se
E é imperativo acreditar
Na fronteira entre o que era
E o que vai ser
Na mornidão amarga das jornadas
São foguetes e arraiais no céu
São gritos de júbilo
E euforia nas praças
São restos de espumante e melodias
Que as gentes adormecem na madrugada
E se no dia primeiro, do ano que há de ser
O sol vier inundar o ar de alegria
Parece que tudo nos faz crer
Na promessa da mudança
Na desejada Bem-Aventurança
Por que rezamos ou não
Ao jeito das nossas múltiplas confissões
Mas, se não vestirmos os nossos gestos
De outros modos
Se não vivermos as horas
Com um brilho de força renovada
Permaneceremos presas assustadas
Na teia cinzenta dos nossos dias


Ana Wiesenberger (Lisboa, 1962) Obras: Dias Incompletos, Idades, Portugal, Meu Amor e Corredores

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Escritor e Editor chefe da Revista Philos. Biomédico e Mestre em Genética pela Universidade Federal de Pernambuco. Cursou História crítica e social do pensamento, da literatura e das Artes (Portugal). É co-fundador da casa editorial Camará Cartonera e do Espaço Cultural Maus Hábitos (Brasil). Autor dos livros A tarde dos elefantes e outros contos (2014), Polissemia (2015) e Olhos de Onda (2016). Artista visual e colaborador do Espacio Cultural Violeta (Chile) e do Colóquio Escrever nas Margens (Portugal). Colabora com diversas revistas de literatura latina na Europa e América Latina.

One thought on “Dossiê de Literatura Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Ana Wiesenberger

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s