Canudos

A vila estava cercada pelas tropas do exército, mas os derradeiros sertanejos, guarnecidos por uma trincheira de corpos, resistiam usando como armas apenas algumas pedras e a esperança que move toda utopia. Tombaram, pouco tempo depois, aos pés da cruz do arraial, sob o olhar triste de Deus…

O pequeno poema da eternidade

Lancem minhas cinzas num rio!
Pois um rio não morre,
Rio vira mar.


Journey Pereira dos Santos (Alagoinhas, 1985). Autor do livro Alfarrábio (Contos).

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Dossiê de Literatura Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Journey Pereira dos Santos

Deixe uma resposta