O templo do poeta

A porta, fechada ou aberta, faz delimitação
Fora, os mortais; dentro, a sacralidade.
Estantes abarrotadas, séculos de inspiração
Inefáveis escrituras de divina humanidade.

Outrora, lápis e papel; hoje, computador
Tanto faz, tudo é objeto de liturgia
Que sobre a mesa – um altar – espera com ardor
A hora da epifania.

Da janela, despontam obras sacras
Mais preciosas que estátuas de querubins
Escape para as horas de inspirações parcas
É o colosso dos pássaros, um doce jardim.

Mas vazio é o templo sem o seu clérigo
Pra do mundo externo criar a arte concreta
Dom divino ou puro mérito?
Eis o sacerdócio do poeta.


Alessandra Costa de Almeida (Osasco, 1987). Artista visual e escritora independente, poetisa.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural e agente literário pernambucano baseado no Rio de Janeiro e São Paulo. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.

2 respostas para ‘Dossiê de Literatura Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Alessandra Almeida

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s