Antigo testamento

Ah, se Deus conhecesse o que criou,
O beijo de mulher a quem amasse,
Nunca mais o desejo condenasse,
Nem impuro seria quem copulou!

Alguma vez Javé acaso amou
Querendo fosse eterno o que é fugace?
Acaso não veria com melhor face
Os pecados que só Ele decretou?

Se um filho, pois gerasses, Adonai,
Outra lei nos darias mais docemente,
Pois esta o doce amor sujando vai.

Javé, que se derreta com ardente
Amor o peito Teu por esta gente:
Desiste de ser Deus para ser pai!


Edson Amaro de Souza (Rio de Janeiro, 1980). Professor de Língua Portuguesa, tradutor do romance “Valperga”, de Mary Shelley pela editora Buriti, e da tragédia “O Rei Saul”, de Vittorio Alfieri, disponível em formato e-book na Amazon.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Dossiê de Literatura Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Edson Souza

Deixe uma resposta