Beija-Flor

Pequeno ser de beleza
De movimentos que fazem vibrar
Suas asas sedosas com muita destreza
Capazes de atrair qualquer olhar
Aparece como um raio no firmamento
Construindo caminhos no ar
Que o conduzem ao néctar de seu alimento
Por belas coreografias suspensas a bailar
Parece que a criação
Teceu seu corpo pequenino
Do mais puro e fino algodão
Com mil cores e desenho divino
Tem em seu peito diminuto
Um imenso e grande coração
Que o torna um ser astuto
Grande guerreiro de pequena proporção
Quantas doces e profundas lições
O beija-flor pode nos presentear
Basta abrir nossos corações
E deixar nossa alma falar


Malgarete Justina Frasson (Nova Araçá, 1961). Filósofa, artista plástica e poeta, tem a arte como mestra em sua vida. Membro do Clube da Poesia de Toledo e fundadora da cadeira 21 da Academia de Letras de Toledo (ALT), Paraná.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Dossiê de Literatura Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Malgarete Justina Frasson

Deixe uma resposta