Poesia voo

O ambiente era frio e escuro, mas havia um murmúrio…

voa borboleta
porquanto é bom voar –
com asas tão, tão murchas
mas eu sei o que é planar;
no tempo,
na lógica do vento,
no espaço heterogêneo de uma mente a poetar.
foge borboleta, foge.
foge da loucura que te agarra no olhar
e goza dos poderes que te dão tuas belas asas
e vai-te aleatória sem prender-te num lugar.
pula borboleta
brinca borboleta
mostra-me a beleza que é poder sobrevoar
a Terra, o espírito, a flor, o ser, o ar.
a alma tem vontade de tamanha liberdade
a alma pede formas de poder extravasar
e só pode conter-se no esforçado versejar
só se achando inteira no espaço de criar
poesia…
poesia a voar


Filipe Rassi (Minas Gerais, 1989). Poeta e vocalista de banda de rock.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Filipe Rassi

Deixe uma resposta