Não tenho vontade de viver. Pelo menos essa vida. Eu sei e você sabe que estamos deitados com o cobertor da angustia e com a cabeça encostada no travesseiro da agonia. E você do meu lado não me ajuda. Afundamos juntos na imensidão do colchão coberto com um lençol de devaneios e colocado na cama do cinismo.
E por mais que eu tente levantar você não deixa. E vice-versa. A minha alma foi trocada pela sua naquele dia em que nos torturamos diante do espelho. Eu não me vi, você não se viu. O nosso reflexo estava imerso em nosso oposto. E nessa loucura toda não nos desgarramos. Ficamos, então, afogados nos nossos próprios erros e achamos melhor permanecemos deitados. Simplesmente deitados. Deitados na inércia que é esta vida.


Antônio Fernandes (Taguatinga, 1997). Mora em Recife e é estudante de Ciência Política na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Escritor e Editor chefe da Revista Philos. Biomédico e Mestre em Genética pela Universidade Federal de Pernambuco. Cursou História crítica e social do pensamento, da literatura e das Artes (Portugal). É co-fundador da casa editorial Camará Cartonera e do Espaço Cultural Maus Hábitos (Brasil). Autor dos livros A tarde dos elefantes e outros contos (2014), Polissemia (2015) e Olhos de Onda (2016). Artista visual e colaborador do Espacio Cultural Violeta (Chile) e do Colóquio Escrever nas Margens (Portugal). Colabora com diversas revistas de literatura latina na Europa e América Latina.

One thought on “Deitados, por Antônio Fernandes

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s