fora engolida
a lentidão
do beijo avesso
para as palavras
das margens
fora engolida
a retenção
do olho aceso
para as costas
dos mares encobertos


Bharros de Oliveira (São Paulo, 1988). Poeta.

One thought on “ Fora engolida, por Bharros de Oliveira ”

Deixe uma resposta