Para que a vida siga
Guardo as dores e os sons
No algodão que colhi lá atrás

Para que a vida siga
Cuido melhor das horas
O relógio acorda

Meus tormentos que começam agora
Antes que as delícias
Sofram todas as manhãs

A vida segue e sigo

Ao longo dos afãs amigos

Os vinhos também são flores

Guardo no instante esquecido

E não abro todas as janelas

Algumas são esperas

Para que as memórias

Voem até o nunca mais.


Rogério Pereira (São Paulo, 1984). Professor de arte, romancista e poeta, vencedor do Concurso Literário de Mogi das Cruzes de 2015.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “Memórias, por Rogério Pereira

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s