Soneto lapidado

Se a eternidade te invade o peito,
Deixa! Que não nos há maior doçura,
Nem melhor sanidade, nem loucura,
Nem causa que traga melhor efeito!

Sentir-se pequeno e grande aventura
De quem vê grandeza em cada imperfeito,
Despreza o perfeito de tao suspeito
E aceita a marca de cada rasura.

Ah, que vida e essa que não nos cura!?
Que acontece em nos a nosso despeito
E nos põe na tenaz linha de um triz!?

E doido, mas de real ternura
O tal viver, que feito e então desfeito
Sangra, fere e completa a cicatriz…


David Edson de Camargo Junior (Votorantim, 1989). Professor e escritor.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por David Junior

Deixe uma resposta