Sacerdotisa cênica

Sorriso de porcelana, de vidro e de cerâmica.
Olhos de ressaca, de gelo e de fogo.
Palavras de engano, de mentira e de gozo.
Eis esta quimera que me deparei!
De seus lábios inverdades saem
Em seu rosto uma máscara se encontra
Todos os dias um papel contracenado
Quão grande é o repertório de encenações!
O que faz no fechar das cortinas, doce quimera?
Tens uma máscara também para si mesma?
O que tu verdadeiramente és?
Ó filha, da dissimulação!
E quando sentires um sedutor perfume
E se sentires atraído por uma bela imagem
Cuidado, querido amigo!
É a quimera oriental!
Belladonna furtiva,
Dissimular-se de rosa é sua maior diversão!
Quando percebestes já serás vítima
O veneno correrá em suas veias
E tu, pobre alma, estarás sem nenhuma salvação!


Karinny Gonçalves (Tsunade, 1997). Contista e poetisa vencedora do Prêmio Flor do Ipê em 2015.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural e agente literário pernambucano baseado no Rio de Janeiro e São Paulo. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.

Uma resposta para “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Karinny Gonçalves

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s