Soneto de Afã

Por anos, desnudei um mundo ingrato
perdido, transitei por entre as ruas
e quando ao fio quedava derrotado,
o acaso fez cruzar minhas mãos às tuas

Ao bel-prazer de um sol outrora ausente
que aqueceu tremente mãos tão frias,
nos debruçamos num gesto envolvente
revelando do amor sua alegoria,

E na tez do ocaso, recordamos
que em sonhos, nosso afã vinha traçado
na forma desenhada de um abraço.

E a paz reinou em nosso firmamento
delineada na forma dos passos
eternizando assim possíveis laços.


Osório Filho (Rio de Janeiro, 1982). Poeta e professor.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos, escritor e curador de festas literárias.

Uma resposta para “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Osório Filho

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s