Espelho da Alma

Via-se sozinha todos os dias,
Em meio ao caos de sua vida;
Sofria com as desilusões insólitas de tantos amores.
Ardores no coração,
Lágrimas escorridas pela face,
Tudo era profano e doía.
Em meio à desordem dos pensamentos,
Resguardava as lembranças pertinentes
Que mal cabiam em seu ser.
Acariciava a dor causada pelo desamor,
Aninhava-se na escuridão,
Perdendo-se na solidão.


Rogelma Sousa (Itapipoca, Ceará). Graduanda em Letras pelo Instituto de Estudos e Pesquisas do Vale do Acaraú – IVA, professora de instituição privada. Amante da leitura, apaixonada pela vida, lê nas horas vagas e escreve por inspiração, autora do conto Amor à primeira vista.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Dossiê de Literatura Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Rogelma Souza

Deixe uma resposta