Volúpia

Olhares erradios, toques, palavras, hálito febril…
Tudo se traduz em arroubo, em prazer que queima
Que espraia garras desgarradas
Que rola rochas e rochedos rochosos
Caindo de cabeça, de ponta, de lança.

Adolescendo o verbo de ouro
A sorver o orvalho dos poros em flor
A provar o humo da terra ardente
A transpirar a ebulição dos mananciais e do vulcão ativo…

Alucinada e possuída
Vejo-me pura
Como a deusa da caça
À procura do deus do amor
Em ensaio atemporal
Bailando o bailado dos deuses.

Feito o maior herói semideus mítico
Que rasga as algas do emaranhado mar
Que recolhe o sal do chão
E saboreia o mel da flor da noite
Em generosos bocados
Tu te desdobras
Transbordas
Jorras teu néctar
Num salto de leão rugindo
A percorrer o túnel da vida
Com invejável desempenho…

Juntos, ainda adolescendo,
Chegamos à luz do sol ocra
Permeando os sentidos…
E resplandecemos no segredo da paz…


Lucrecia Welter (Paraná, 1953). Escritora multipremiada e presidente da Academia de Letras de Toledo, Paraná. É Revisora de textos da Revista Philos e Curadora de Literatura lusófona da mesma Revista. Tem diversos livros lançados e publicações em coletâneas poéticas.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos, escritor e curador de festas literárias.

Uma resposta para “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Lucrecia Welter

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s