Era um dos dias mais importantes na história da pequena cidade de Ponteiras, Pernambuco. Finalmente chegara o dia do casamento da filha do prefeito com o filho do delegado. Para uma cidade pobre, onde casais só juntavam os trapos, um casamento era um espetáculo e tanto. As moças da cidade se arrumavam no único salão de beleza da região. Os homens bebiam nas calçadas dos bares enquanto esperavam a tão comentada festa começar. A noiva fazia os últimos ajustes no vestido. O noivo, no outro canto da cidade para não ver a noiva e evitar o azar, parecia desconfortável no terno que seu pai lhe emprestara. A filha do prefeito e o filho do delegado finalmente se uniriam em sagrada celebração perante Deus e os homens.
Quando o relógio marcou dezessete horas, a igreja – que cheirava a rosas – estava lotada. Homens, mulheres e meninos se amontoavam entre as quatro paredes daquela igreja que, como tudo na cidade, era a única. O padre, de batina branca e azul, no púlpito, folheava a Bíblia, tentando não fazer feio diante de tal evento. Talvez isso o ajudasse a construir a casa paroquial que tanto queria. Os pais dos noivos conversavam entre si e recebiam os convidados que não paravam de chegar. Quem parecia não ter pressa era a noiva que, como dizem em Ponteiras, “embrulhava-se toda para ser desembrulhada na noite de núpcias.” O noivo não parecia o mais calmo dos sujeitos. Caminhava de um lado a outro, seguindo sobre uma linha imaginária que não levava a lugar algum. Quando todos já se interrogavam se a noiva teria desistido do casório, eis que um moleque, desses que só querem saber do bolo e salgadinhos, gritou na porta da igreja: “A noiva chegou”!
Do altar, onde o noivo caminhava inquieto, era possível ver o Opala vermelho do prefeito. Aquele era o carro mais bonito da região. Conclusão que não era difícil tirar, considerando o fato de haver apenas três carros na região. E aquele era o mais bonito entre os três. A noiva desceu elegantemente do carro, com seu vestido branco, buquê de rosas vermelhas e colar de pérolas que ganhara da sua avó para a data especial. Enquanto entrava na igreja lentamente, se exibindo para as outras moças, o noivo continuava sua agoniante peregrinação de uma ponta a outra do altar, em linha reta.
Quando finalmente ela se pôs à frente dele, estendendo-lhe a mão para se posicionarem diante do padre, e serem apresentados a Deus e ao povo em união sagrada, o noivo recuou um passo. “Não posso.” – Falou em voz baixa. O padre, temendo ter ouvido o que achava ter ouvido, retrucou: “O que disse?”. “Disse que não posso.” – respondeu o noivo em alta voz e continuou: “Eu não a amo, Padre”! O padre, olhando a igreja incrédula com o que acontecia, tentou chamar o rapaz pela razão: “O amor é superestimado meu jovem.” O jovem explicou: “Não posso, seu Padre. Eu amo a Dasdores”. “A puta?” – perguntou a noiva quase chorando. “Sim, ela mesma. Ela é a minha puta, isso é mais do que posso falar de você que nunca foi minha. Você é só um capricho do meu pai”. O pai do noivo, agoniado, sacou de sua pistola e foi logo dizendo: “Pois bem, agora você vai ter que seguir esse capricho. Ou casa com a filha do prefeito ou esqueço que é meu filho e lhe mando ver Deus mais cedo”. O noivo não recuou de sua decisão: “Não posso, meu pai. Prefiro morrer antes do tempo que ficar sem Dasdores. Viver sem ela é morrer em vida”.
Dasdores que até então ninguém tinha visto, saiu docemente dos últimos lugares da igreja, onde se escondia atrás das “pessoas de bem”, e se dirigiu apressadamente até o altar. “Tu quer mesmo ficar comigo?” – perguntou. “Quero sim. Tu aceita ser minha?” – perguntou o filho do delegado. “Desde que te conheci eu sou tua. Se teu pai te matar, eu morro junto. No além, ele não pode separar a gente”- respondeu Dasdores enxugando a lágrima que lhe escorria pelo rosto.
Os dois se aproximaram em pequenas passadas e se abraçaram forte, como se o mundo fosse acabar num abraço só. O delegado, vendo que perdera, apontou a pistola em direção ao casal e sentenciou: “Ou desabraça a puta ou mando os dois para o céu abraçado do jeito que estão”. O abraço não afrouxou um centímetro sequer. O pai da noiva, aproximando-se do delegado, lhe falou baixo ao pé do ouvido: “Abaixa essa arma, porra! Casamento é fácil arrumar, reeleição é só uma vez na vida.” Sob tal ordem, o delegado baixou a pistola e saiu contrariado da igreja. A noiva, chorando e esbravejando com Deus e com o mundo, saiu apoiada pelo pai. O padre, fechando a Bíblia, saiu expulsando as carolas que reclamavam do “sacrilégio”. As moças queriam ter a coragem de Dasdores. Os homens queriam ter a coragem do filho do delegado.
A igreja agora se fazia vazia. O casal de amantes, levantando a cabeça, buscou alguma viva alma que o julgasse, mas ninguém sobrara nos bancos de madeira. Os dois então se beijaram entre risos e soluços de felicidade. Benzeram-se diante da imagem de Cristo crucificado e saíram porta afora, rua afora, mundo afora. Cristo crucificado era agora a única testemunha do amor entre a puta e o filho do delegado.


Francisco Carvalho (Maceió, 1988). Poeta e contista, é também professor de história, graduando-se pela Universidade Federal de Alagoas.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “Dasdores, por Francisco Carvalho

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s