Musa

Eu não sei que segredo tem o seu semblante,
Que me atrai e que me prende, tal qual a medusa.
Não consigo viver, sequer por um instante,
Sem que me lembre dela, meu ser se recusa.

A uma estrela nas trevas, ela é semelhante.
Traz-me maravilhado, sua aura difusa.
É minha inspiração, coração palpitante,
A mulher que escolhi, sublime e terna musa.

Criatura invulgar, essência feminina,
Imagem de mulher e jeito de menina,
Entre joias, precioso e rútilo diamante,

É como gota d’água, pura e cristalina,
Dona de um meigo olhar, que acalenta e ilumina.
Nunca a descreverei, por mais que escreva ou cante.


Albano Bracht (Rio Grande do Sul, 1946). Integrante do Clube da Poesia e fundador da cadeira nº 23 da Academia de Letras de Toledo (PR).

One thought on “ Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Albano Bracht ”

Comentários

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s