Musa

Eu não sei que segredo tem o seu semblante,
Que me atrai e que me prende, tal qual a medusa.
Não consigo viver, sequer por um instante,
Sem que me lembre dela, meu ser se recusa.

A uma estrela nas trevas, ela é semelhante.
Traz-me maravilhado, sua aura difusa.
É minha inspiração, coração palpitante,
A mulher que escolhi, sublime e terna musa.

Criatura invulgar, essência feminina,
Imagem de mulher e jeito de menina,
Entre joias, precioso e rútilo diamante,

É como gota d’água, pura e cristalina,
Dona de um meigo olhar, que acalenta e ilumina.
Nunca a descreverei, por mais que escreva ou cante.


Albano Bracht (Rio Grande do Sul, 1946). Integrante do Clube da Poesia e fundador da cadeira nº 23 da Academia de Letras de Toledo (PR).

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Albano Bracht

Deixe uma resposta