Páralo

Os cais sonham com a partida,
todas as horas numerando e
dinumerando, o dobrar e desdobrar
das velas, encharcando as ladeiras
com os restos cinéreos e estancos
de marés de gente forânea,
(desfloram os ilhéus virgens, pausando a morte
com o suor rugado dos nossos
campos, em vícios, numerários e
dívidas imperdoáveis.

Onde estão os filhos de Posídon,
os navios perderam os ascendentes, a
fuscina enferrujada, já não nomeia o
seu largo herdo e os rostos amados
das mulheres;

Alguém dizia, os mares doem,
numa alantíase de azuis impossíveis,
o mediterrâneo dói, em cercados
de alfazemas a amparar os golpes,
doí-me o meu país sempre que viajo;

Os cais amodorram ao entardecer,
com o sangue clandestino
dos homens nas proas fugidas, com
o hálito da noite roubado à
boca dos jasmins, e os sarcófagos
silenciosos das águas
tracejamos as coleções maiores e
menores de estrelas, aquelas que
movendo estereógrafos e astrolábios,
nunca sonhara Hiparco.


Helena Barbagelata (Lisboa, Portugal, 1991). É licenciada em Ciências Políticas e Relações Internacionais pela Universidade Nova de Lisboa e Pós-graduada em Línguas, Literaturas e Culturas. Desenvolveu estudos de investigação em Língua, Pensamento e Cultura Helénica na Universidade Nacional e Capodistriana de Atenas. Colabora como autora e ilustradora em diversas publicações, destacando-se: Revista Subversa – Literatura Luso-Brasileira, Diversos Afins – Entre Caminhos e Palavras, e Mallarmargens – Poesia e Arte Contemporânea. Participa em antologias no espaço latino e tem sido agraciada em vários concursos internacionais. É curadora de Literatura lusófona e de artes visuais da Philos.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Escritor e Editor chefe da Revista Philos. Biomédico e Mestre em Genética pela Universidade Federal de Pernambuco. Cursou História crítica e social do pensamento, da literatura e das Artes (Portugal). É co-fundador da casa editorial Camará Cartonera e do Espaço Cultural Maus Hábitos (Brasil). Autor dos livros A tarde dos elefantes e outros contos (2014), Polissemia (2015) e Olhos de Onda (2016). Artista visual e colaborador do Espacio Cultural Violeta (Chile) e do Colóquio Escrever nas Margens (Portugal). Colabora com diversas revistas de literatura latina na Europa e América Latina.

One thought on “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Helena Barbagelata

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s