Revelado

Humanóide primitivo,
Corpo acorrentado
[à cegueira dos sentidos,
Retorcem as retinas,
Em convulsão,
Sob o sol.

Seu legado:
Um leito,
Ressecado de rio;
Na boca,
Um gosto de sal do Himalaia;
E nos ouvidos,
O Mediterrâneo,
[inteiro,
Zunindo e zumbindo,
Qual projétil,
[em deflagração.

Mas, inconformado,
Insistindo em não desaparecer,
Sua história persiste:
Pela dor fortalecido,
Resiste aos ventos
[e ao tempo.

Até que um dia,
Lavados pela chuva fina,
Seus olhos brotam e se levantam,
Solitários, do alto de um rochedo.

Para que, revelados,
E conscientes,
Pudessem ser cultuados
[e idolatrados,
Por um bando de bestas,
Ainda primitivas.


Fábio Luís Vasques Silva (Rio de Janeiro, 1974). Advogado, Professor, Escritor e Poeta.

One thought on “ Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Fábio Luís Vasques Silva ”

Comentários

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s