Aquela pichação que fiz no muro da tua casa, durante a madrugada. Aquela madrugada em que eu jurei amor em um inglês ruim. Aquele inglês ruim que você gostou de ouvir porque parecia aquela música internacional. Aquela música internacional que tocava no rádio, no quarto daquele motel onde tivemos a nossa primeira vez. Aquela vez que, depois do sexo, te prometi uma pichação no muro da tua casa. Aquela casa de onde expulsaram a tua família para construir um estádio para a copa. Aquela copa em que o Brasil perdeu para a Alemanha de sete a um. Aquele 7 a 1 que assistimos na rodoviária, rindo de todos que choravam, antes que eu chorasse te vendo partir de volta pra Exú. Aquela tua partida que foi pior que qualquer 7 a 1.


Francisco Carvalho (Maceió, 1988). Escritor, contista e poeta; é professor de História nas horas vagas.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural pernambucano baseado no Rio de Janeiro. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.

One thought on “Aquela, por Francisco Carvalho

Comentários

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s