Admito que, de fato, você mudou muito. Mas, parece que se esqueceu de uma coisa: eu também me metamorfoseei. Então, vir com todo esse discurso, que permeia o arrependimento e se debruça na sua falta de maturidade, não vai mais funcionar comigo, com o meu novo eu. Só estou te ouvindo agora, porque ainda resta certa consideração.
Realmente, não sei o que passou pela sua cabeça quando resolveu sair, desvairado, por aquela porta. Porém, mesmo com esse desconhecimento, vejo que não sopesou as consequências das suas falas e ações. Naquele dia, eu fiquei te esperando por algumas horas… Ai se você retornasse a tempo… Com certeza, receberia o meu perdão.
Fico extremamente incomodado em ouvir que a nossa atual situação se concretizou em razão da ironia do destino. Não adianta, neste momento, torná-lo culpado. Na realidade, o destino é coerente. Ele rege as nossas vidas conforme o fluxo de verdade que exalamos na terra. Ele traça o nosso caminho equacionando os elementos x, y e z contidos no nosso ser e estar no mundo.
Aliás, o mundo dá voltas, meu caro! O luto é superável. As lágrimas, um dia, secam. A ausência deixa de ser sinônimo de dor e passa a ser de livramento. A autoestima se reestabelece, é fortalecida. A vida nos presenteia com alguns ombros amigos. Ou, simplesmente, nos surpreende com um novo amor.
Caso reatássemos a nossa relação hoje, tudo seria diferente entre nós… O beijo irreconhecível. O abraço distante. O sexo forçado. A nossa união já não se justificaria. E o “Eu te amo” deixaria de ser representativo dos meus sentimentos. Portanto, reconheça, o desamor é a melhor decisão.


Vagner Silva (São Lourenço, Minas Gerais, 1994). Graduando em Direito e bolsista do PETI pela UFLA. Participou das coletâneas literárias 15º Concurso de Poesias (2015), organizado pela CNEC de Capivari/SP, e Coexistência: antologia de poesias, contos e crônicas (2016), pela editora Porto de Lenha, e Trilha de Lótus (2016) e Ponto de criação (2016), da Andross Editora. Tem textos publicados nas Revistas Literárias Philos e Subversa.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “Desamor, por Vagner Silva

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s