Joãozinho roubou de novo. Ele entra na Promotoria conduzido, cabisbaixo, não encara ninguém, como se admitisse a culpa. Não a culpa do crime, essa não dá para esconder: tem flagrante, tem vítima que o reconhece, tem arma apreendida. A autoria passa ao largo de seu pensamento, sim “foi ele mesmo, foi”. A culpa é outra, mais profunda, arraigada, irresistível. João se pergunta quando algum projeto vai dar certo, quando haverá futuro para ele. Ele já assumiu sua condição e está cansado de perguntas e de conselhos: “estuda, João”, “não rouba, João”, “fica em casa, João”, “deixa as más companhias, João”, “não usa droga, João”. Não, não, não. Ninguém quer realmente saber de João, ele é só um motivo para que outros se sintam normais. Quem quer saber que onde para uns há o lar, para ele a casa é o inferno? Quem quer saber que o pai batia na mãe? Que o orçamento da casa só dá para a comida de João, quando ao redor meninos têm comida, roupas, videogames, tênis, carros? Ninguém! Ninguém quer enxergar a desigualdade flagrante, gritante e absurda que faz João tremer de revolta. Sabem os homens o que é um barraco, uma rua de esgoto a céu aberto, o cheiro de podridão? “Estuda, João”. Sabem como é a escola e os professores? “Larga as más companhias” – nunca o apresentaram às “boas”. O universo conspira a seu desfavor, mas é claro, basta ter caráter, ninguém está condenado a agir “mal”. Quem diz isso a João é o Advogado, é o Promotor, é o Juiz, engravatados, cheirosos, arrumados. Berços de ouro; o seu: de lixo, de miséria, de horror. “Não justifica, claro”, dizem os teóricos do racionalismo-individual, sentados em sofás confortáveis enquanto bebem cafés – não: cappuccinos italianos. João queria tanta coisa, mas queria antes de mais nada ter tido a chance que outros tiveram, a chance de ter coisas sem ter que roubá-las. João pede ajuda, no seio de seu desespero pessoal, mas ninguém escuta: Deus só dá a quem já tem. Óbvio, ele poderia estudar onde não estudam; recusar a droga que é sua única fuga; andar com pessoas que não existem; ter caráter, diabos! Não desejar, ser como os antigos gregos, mergulhar em profunda sabedoria… Quem, nos seus quinze anos, não seria capaz de ser como Sócrates? Ninguém olhou por ele. O pai, violento, deixou o lar; a mãe é ignorante, mas querem que ela faça brotar do fundo de sua boa alma os dons de um profissional da psicologia ou da pedagogia, ela que também é fruto podre de uma sociedade injusta. “É possível, é possível!”; “Ah se fosse meu filho!”; “Uma boa surra, é o que basta!”. João está só. Bom, tem o Estado… Esse Leviatã atabalhoado não viu a desestruturação de tantos Joãos – ou se viu, nada pôde ou quis fazer. O Estado não deu a João nem a educação de que ele precisava, nem bons salários a professores, nem entusiasmo com relação ao futuro, nem ajuda, nem conselhos. O Estado fechou os olhos enquanto a família se digladiava, se destruía, enquanto João desejava ser como os outros, ter o que os outros tinham. Ninguém lhe disse: “você terá, eu ajudo, faça assim, faça assado”, ninguém falou a João de valores, nem deu exemplos. Seu exemplo é a condição que ele já aceitou. Quem se dirige a ele vive em mundos tão distantes que suas vozes não o atingem: assistentes sociais, juízes, policiais, promotores. Falam do que não conhecem. João ri e sua raiva aumenta. “Olha, quando tiver 18 anos, vai ser Papuda, vai ser dez anos, vai ser isso e aquilo outro”, como se ameaças de sofrimento pudessem transformá-lo. A vida já é puro sofrimento. E ouve isto do Estado que não viu nada acontecer, que não lhe deu qualquer expectativa de vida. O mesmo Estado que, não satisfeito em não proteger sua infância quando a família falhou, agora vem puni-lo, julgá-lo. João realmente acha que as lições de moral são dispensáveis, já que o Estado ausente é o mesmo que agora pune, mas não dá para dizer isso a um Juiz, não. Se não vai ser pior, porque as pessoas lidam muito mal com a verdade, ainda mais quando usam gravatas. Pedem para ele ser bom… João acha que é bom, de verdade. Mas às vezes a fúria lhe sobe pelo peito, o mundo o agride com toda sua injustiça, é difícil controlar. “Mas não se justifica, se não todo miserável seria bandido”. Verdade. Os que viveram nas condições de João e resistiram são os grandes desse mundo, maiores do que eu, maiores do que você, maiores do que Sócrates. Mas se pode pedir a João que seja assim? João é humano. Agora ele sai da audiência. Seu caso já era: é internação na certa. Vão mandá-lo à instituição onde João será ressocializado, onde apreenderá os valores essenciais do cidadão. É o que o Estado diz, a justificativa para restringir sua liberdade. É o ato final da tragédia. Que piada! O Estado que não ofereceu o ombro a João, que não viu que precisava de ajuda, que não o educou direito; o Estado que não teve forças para tirá-lo da miséria agora vem, com sua maquinaria pesada, estraçalhar o pobre João, vem puni-lo usando eufemismos de ressocialização. O Estado nunca o socializou; como pode “ressocializá-lo”? Tem alguma coisa muito errada com esse país.


Caio Lobo (Recife, 1979). Colunista da Philos, é formado em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco e Mestre em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília. Leitor compulsivo e romancista. Lançou recentemente o seu livro Trôpegos Visionários pela editora Kazuá.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “E agora, João?, por Caio Lobo

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s