Ode

Bem-te-vi que canta o alvorecer
Ensina-me também a cantar assim!
Ninando a lua, adormecer
O céu azul tornar carmesim

Aquele orvalho azul cristal
Aquele sol amarelo-ouro
Brilham luz no meu quintal
Partilham todo teu tesouro

Bem te vi que canta o amanhecer
Ensina-me também a passar assim!
Voar entre nuvens ao entardecer
Florescer sementes de jasmim

Aquela lua pérola branca
Em cetim anil céu repousa
Bordada em puro verso tanka
Preenche o tom de toda cousa

Bem te vi que canta o anoitecer
Ensina-me também contemplar assim!
O firmamento distante escurecer
Dormir sob o céu de estrelas sem fim.

E canta comigo e o vento,
Dança comigo e com as folhas que caem,
Floresce comigo em estações.
Guarda e leva! Contigo leva esses
Sonhos meus! Tão pequenos pr’o mundo…


Jessyca Santiago (Recife, 1990). Graduada em Letras Inglês pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro, trabalha como professora.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural e agente literário pernambucano baseado no Rio de Janeiro e São Paulo. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.

Uma resposta para “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Jessyca Santiago

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s