Contínuo instante

Quando há dias e noites
e o infinito paira nos detalhes,
contínuo é o estado único das coisas.
Agora, ante, instante.
Sempre a volta dos peixes para a nascente,
os homens para o útero,
os filmes para o início,
as letras para o lápis.
Sempre a ida dos peixes para a foz,
os homens para o suspiro,
os filmes para o fim,
as letras para o outro.

A grandeza de todas as coisas
é olhar por uma lupa
e afinar o sorriso.


Rafaella Rímoli (Brasil, 1988). Poeta vencedora dos prêmios: Literário Paulo Freire (2012), ‘Escritores in Progress’ (2012) e Literário Darcy Ribeiro (2014). Autora do livro O haver flor (Editora Coruja, 2013). Escritora e ilustradora da página virtual Contínuo Instante (livro em constante composição).

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

2 comentários sobre “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Rafaella Rímoli

Deixe uma resposta