Sola dura

É, eita barro danado! Queimava a crosta fina da labuta
que em meu pé se formava. O que eu podia fazer?
Descalço, a vida era mais nua, escuta filho, não tem essa de meu bem-querer, não! Por quê? Eita trem desavisado, chega aqui, vou te dizer!
O tempo não amansa o barro da estrada da vida que em minha sola se petrifica.

Não acredita? Ô criança! O vento, esse sim é traiçoeiro,
joga na sua cara a poeira desgarrada, te fazendo engolir a seco aquela sua pisada fraca, mais arrastada. Te digo logo, sem pausada.
Se vai dar o primeiro passo nessa longa jornada, não vai de manso não,
senão vira risada no conto da caboclada que só espera o tropeção.
Vai firme, eita, criança!
O barro não mata e nem entorta, não adoece e nem afunda.
Amacia o pé dessa gente toda que rindo morre, com a sola dura

Poesias da vida dura

He, boiada!
O machado arrebenta a madeira
e na aldeia se faz sexta-feira
com a boiada correndo ligeira
nos cantões dos meus avôs.

Ehh! Que o tempo passa lesado
entre cantos e jongados
da gente outrora marcada
pelo medo de ser açoitada.

He, boiada! Carregando o novo
a esperança desse nosso povo
dos meus avôs sentados em toco
ensinando sobre a paz!

“Tombou o navio negreiro!”
Gritou o caboclo guerreiro
anunciando a paz a seus irmãos
meus avôs e avós de tantas gerações.

Viva a Liberdade!
Cantemos aos ensinamentos do cativeiro
sem pressa e sem medo – rio ligeiro!
Caboclos e Mulatos, Mestiços e Crioulos – Eis o nosso povo!


Rita Amaral (Rio de Janeiro, 1990). Historiadora, escrevendo versos e prosas ao vento.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Escritor e Editor chefe da Revista Philos. Biomédico e Mestre em Genética pela Universidade Federal de Pernambuco. Cursou História crítica e social do pensamento, da literatura e das Artes (Portugal). É co-fundador da casa editorial Camará Cartonera e do Espaço Cultural Maus Hábitos (Brasil). Autor dos livros A tarde dos elefantes e outros contos (2014), Polissemia (2015) e Olhos de Onda (2016). Artista visual e colaborador do Espacio Cultural Violeta (Chile) e do Colóquio Escrever nas Margens (Portugal). Colabora com diversas revistas de literatura latina na Europa e América Latina.

One thought on “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Rita Amaral

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s