Lembro-me do dia em que “Titanic” fez sua estreia em Macaé – era ainda no belo Cine Clube, em 1998. O filme chegou nove meses depois do grande circuito, foi a primeira vez que saí de casa depois de meu acidente, lia Heidegger dia e noite. Também foi a primeira vez que vi uma fila de operários do mar comprando pipocas e deixando seus barcos dormirem. As freiras também vieram, mas seus hábitos não. Tinha gente que descobriu o corpo naquele dia e outros que já haviam consumido cinco ingressos – em vila de pescadores, a diversão, muitas vezes, é se tornar um mentiroso genial ou um delator premiado. Atrás de mim, havia dois guris de uns doze anos que contavam cada cena detalhadamente, antecipadamente – ainda não se dizia spoiler. Lembro-me quando um deles falou para o outro: “é agora, é agora, é agora que ele vai comer ela no banco de trás do carro” – moleque sacana aquele.
Ontem sonhei que era o Di Caprio, acordei hoje loiro e de barba falhada. Falei em inglês com minha mãe que não entendeu nada e fez cara como quem diz “coitado, pirou de vez”. Engraxei o sapato, pus o terno preto de festa, com a gravata borboleta, desci a escadaria e entrei num móvel – tocava “My heart will go on”. Sem perder tempo, fui para o banco de trás, empolgado. Mas a realidade não é cinema – quando ouvi a risada dos atores percebi que estava num Uber Pool, com mais dois chineses, comendo pastel e tirando foto do Cristo. Mas tá beleza! Um dia a gente dorme em Macaé e acorda no Rio; um dia é Roma, outro é amor. A vida é uma estrada de palíndromos. Um dia ainda encontro a minha Kate Winslet ou Hannah Arendt.


Paulo Emílio Azevêdo (Rio de Janeiro, 1975). Professor, Doutor pela PUC-Rio em Ciências Sociais, escritor, poeta e coreógrafo. Recebeu diversos prêmios, entre eles “Rumos Educação, Cultura e Arte” (2008/10) pelo Instituto Itaú Cultural e “Nada sobre nós sem nós” (2011-12) no âmbito da Escola Brasil/Ministério da Cultura para publicação do livro Notas sobre outros corpos possíveis (2014). Seu mais recente livro, O amor não nasce em muros (2016), tem prefácio assinado pelo editor chefe da Philos.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Escritor e Editor chefe da Revista Philos. Biomédico e Mestre em Genética pela Universidade Federal de Pernambuco. Cursou História crítica e social do pensamento, da literatura e das Artes (Portugal). É co-fundador da casa editorial Camará Cartonera e do Espaço Cultural Maus Hábitos (Brasil). Autor dos livros A tarde dos elefantes e outros contos (2014), Polissemia (2015) e Olhos de Onda (2016). Artista visual e colaborador do Espacio Cultural Violeta (Chile) e do Colóquio Escrever nas Margens (Portugal). Colabora com diversas revistas de literatura latina na Europa e América Latina.

One thought on “Eu e meu Uber Titanic, por Paulo Emílio Azevêdo

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s