Eu disse a ela que era um tipo de Sir, herdeiro de um lorde inglês, dono de terras africanas e das Ilhas Malvinas. Ela sorriu, me disse que era filha de um padeiro e de uma costureira, era dona de um gato e herdaria um Santana. Eu disse a ela que era fluente em três idiomas, investia na Bolsa de Valores e jogava pôquer aos fins de semana com diplomatas europeus. Ela me disse que sabia cantar “Parabéns pra Você” em inglês, tinha dez reais em uma lata vazia de Neston e, nos fins de semana, jogava dominó com os avós. Eu disse a ela que meu país favorito era a Austrália, odiava filas de check-in, e torcia pelo Real Madrid. Ela me disse que adorava Juazeiro, odiava as filas do restaurante popular, e era torcedora fanática do Sport. Eu disse a ela que não acreditava em Deus. Ela me disse que era devota de Padre Cícero. Eu disse a ela que meu escritor favorito era Kafka. Ela me disse que gostava do cara que escreveu o Novo Testamento. Eu disse a ela que precisava ir embora, estava atrasado para a festa do Prefeito. Ela me disse que iria esperar um pouco mais, o ônibus sempre atrasava, e que, se não fosse abusar, eu falasse ao Prefeito para colocar mais ônibus do centro ao Trapiche. Eu disse “adeus”. Ela disse “que Deus te guie!”. Ela era como eu, porém, sem mentiras.


Francisco Carvalho (Maceió, 1988). Escritor e professor de história, graduando-se pela Universidade Federal de Alagoas.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Escritor e Editor chefe da Revista Philos. Biomédico e Mestre em Genética pela Universidade Federal de Pernambuco. Cursou História crítica e social do pensamento, da literatura e das Artes (Portugal). É co-fundador da casa editorial Camará Cartonera e do Espaço Cultural Maus Hábitos (Brasil). Autor dos livros A tarde dos elefantes e outros contos (2014), Polissemia (2015) e Olhos de Onda (2016). Artista visual e colaborador do Espacio Cultural Violeta (Chile) e do Colóquio Escrever nas Margens (Portugal). Colabora com diversas revistas de literatura latina na Europa e América Latina.

One thought on “Ela era como eu, por Francisco Carvalho

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s