Brasileirinho

Se fuçar bem no meio do lixo
tem até homem de reza ensaiada
repete a que lhe foi ensinada
e perdoa essa vida má.
Chega domingo,
pede a Jesus um cachimbo
perdido em meio a sujeira
só quer mesmo é a bebedeira
pra fazer o dia acabar.
O indigente,
ria até faltando uns dentes
“até mesmo ninguém liga pra gente”
dizia sem se preocupar.
Já perdido na escuridão da lixeira
namora uma a uma as estrelas
até o céu surrupiar.
De manhã cedo, num nicho,
no pescoço, um crucifixo,
o coração achou no lixo
e segue a vida como dá.


Hozana Bidart (Rio de Janeiro, 1997). Encontra na poesia uma forma de desconstrução: da LGBTfobia, do machismo, do racismo, de preconceitos sociais e culturais e, acima de tudo, luta pela sua ideologia de que a poesia nasceu para ser acessível a todos, como uma espécie de voz e alento, sem perder uma delicadeza poética única.

One thought on “ Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Hozana Bidart ”

Comentários

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s