A sombra

haverá alguma sombra
que toque a flor nauseabunda
do corpo estirado na viela?
e a sombra descerá mansa

sem alarde? acariciará o
corpo frágil da flor sobre
a carne estendida e fria,
já surda aos gritos pardos?

a sombra será como
consolo da amamentação
na madrugada, ao choro
de fome, ou de medo?

quando a sombra partir,
descabida e indomável,
ante o dia, o café, a rotina,
o corpo já será foto e enfeite?

a flor será de plástico?
e a sombra será de gente?


Renan Reis (Mongaguá, 1989). Formado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

One thought on “ Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Renan Reis ”

Comentários

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s