Como uma tarde crepuscular, de tons dourados e candura poética, é ele que está chegando, devagarzinho, o Outono… Com ele, os sinais de mudanças que a mãe Natureza traz no silêncio de sua beleza, quando começa a se manifestar este eterno fenômeno que se concretiza nas estações do ano: inverno, primavera, verão e ele, o doce outono. Cada estação marcada com suas características e nuances de esplendor e magia. São diversas alterações que acontecem, nas paisagens, nas cores e até nos comportamentos e no modo de viver e existir de tudo e de todos nós, influenciando nossos sentimentos e emoções. Com suas cores e toques de encanto, o OUTONO está chegando. A brisa já sopra com mais frescor e amenidade. O verde das plantas manifesta os sinais da transformação com tonalidades de amarelo e dourado nas folhas secas que começam a cair, com leveza e encanto, o que nos faz lembrar o saudoso poeta Mario Quintana, em seus belos versos, no Hai-Kai de Outono:
“Uma borboleta amarela?
Ou uma folha seca
Que se desprendeu e não quer pousar”.
O outono não chegou, ele vai se fazendo presente aos poucos, como quem sabe o que quer, silencioso, como o passar do tempo e o envelhecer de tudo, do seu jeito maneiroso e em seus vários tons de saudade perfumada e colorida.
O outono não tem pressa, ele tem calma e serenidade, como se fosse um dos momentos mágicos de um poente que se desfaz em luz, mas, docemente, cede lugar às sombras. Ele traz o sentimento da volta para casa, do caminho do ninho, do aconchego do lar. É a chegada, já prenunciando uma nova partida, hora de contemplar, com suspiros, lembranças de momentos passados, e se preparar para o milagre da renovação que certamente acontecerá, como certa também será a chegada de cada nova estação do ano, numa perfeita continuação da permanente transformação de tudo.
O grande exemplo que o outono da natureza deixa para o homem é a aprendizagem de aprimorar e vivenciar a sua maturidade, seu estado outonal, o poente da Sua Vida, seu bem mais precioso, sua plenitude de corpo e alma. Celebrar o seu ser. Viver o prazer de se encontrar e de abraçar o outro, aceitando-o como é… O outono é a estação da essência, da alma. O que fica da grande lição é aprender a caminhar buscando sempre viver cada período da vida com a sabedoria e beleza do outono que a natureza constrói, numa perene jornada traçada com amor, harmonia, serenidade e persistência, que aprendemos a cultivar direcionados pela paz e pela fraternidade.
A vida repete a grande arte da mestra Natureza, nas suas estações do ano. Assim, nos perpetuamos: nascer, crescer, brilhar, envelhecer e morrer, para depois renascer novamente… Assim também é a vida. Ela também tem seus vários tons de cores e sabores, que cada um deve aprender a ver e sentir, no seu tempo. Cada um de nós, no seu tempo próprio, vai viver sua experiência única dos momentos mágicos do seu OUTONO, pois, como diz a sabedoria sagrada:
“Tudo tem o seu tempo determinado… Há tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de plantar e tempo de colher… Tempo de chorar e tempo de rir, tempo de estar calado e tempo de falar, tempo de guerra e tempo de paz…”
Que o Outono seja, para todos nós, o tempo de cores suaves, doces sabores e plenas alegrias!


Miguel Campos Sepúlveda (Rio de Janeiro, 1935), educador. Fundador da cadeira 09 da Academia de Letras de Toledo (ALT), Paraná.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “O outono, por Miguel Campos Sepúlveda

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s