Poema sem título

Olhos pútridos e tochas acesas
Um grito do inferno agrava as cidades
O monstro saiu das sombras?
Uma e milhares, criaturas escusas
Cantando odes às atrocidades
Orgulhando-se de pérfidas obras!
Olhem:
O mais triste
Desesperador
Insano
O rosto do monstro
Foi sempre humano!


Larissa Reggiani Galbarddi (Cafeara, 1991). Estudante de Letras.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Larissa Reggiani Galbarddi

Deixe uma resposta