Por último, decide andar até o metrô.
Tira o cigarro torto do maço amassado. Traga, embirrando o pulmão e sente a febre do corpo inflamado de ressaca. Uma dor na nuca, evita olhar para os lados. A rua espirra gente, amontoa cheiro. Na porta da estação, uma barraca de cachorro quente fumegando água de salsicha; do outro lado, a velha de lenço na cabeça estende a mão grossa. À frente, o vendedor oferece quinquilharias: corrente de metal vagabundo, móveis em miniatura feitos de arame, lanterna, chaveiro, Papai Noel do Paraguai que acende a vela presa na mão Ho! Ho! Ho! E o cachorro movido à pilha que late, late, late e dá cambalhota.
Prende o cigarro com o dedão e o dedo do meio. Arremessa numa só tacada para fora da calçada. Enfia as mãos no bolso. O vendedor fala, refala, explicando as muambas.
Compra o cachorro.
Sobe as escadas da estação. A sacola de plástico azul batendo na perna.
Senta e coloca a sacola com o cachorro entre as pernas. Encosta na janela e o galo na cabeça estala e o afasta. Não sai nunca. Desde a pancada.
No banco da frente, lateral, percebe a intenção de uma conversa. Um gordo, com os botões estourando a camisa azul esgarçada pela barriga, segura um folhetinho. Nossa senhora de Guadalupe. Já no “Posso Te Fazer Uma Pergunta”, a mão com desenho de cruz, salmo e ramo de arruda interrompe uma possível conversão religiosa.
A bobeira de querer ser moço novamente.
Moço para beber sem doer a cabeça ou enjoar o estômago, para andar insone pela rua, moço para cheirar pó barato sem os brônquios chiarem, como estão agora, sem adormecer a ponta dos dedos, como sente agora. Ser moço para meter em todas, gozar com o mesmo prazer do primeiro jato de porra da primeira punheta. Ser moço e não ter passado pesado nas costas, tatuagens feitas à força ou escolher os desenhos, pelo menos. Ser moço para não ter de olhar tudo e ver só passado.
No espelho, o cabelo branco saindo do couro cabeludo aqui, ali, e mais aqui. Ser moço novamente. Quem precisa de cabelo branco?
O trem sai do túnel.

Considerando que o Conselho de Sentença, ao apreciar a primeira série de quesitos, referente ao crime de homicídio qualificado que vitimou Silmara Queiroz de Almeida, reconheceu a materialidade e a autoria delitiva;

Inspira fundo. O estridor no peito. O gordo ouviu. Tenta decidir entre andar todas as estações. Ida e volta. Para aonde ir primeiro, visitar quem? Tira o cachorro da sacola. Um leve sorriso involuntário no rosto.
A porta abre e fecha. Não entra ninguém. Esqueceu que hoje é feriado. A luz do trem pisca.

Considerando que o Conselho de Sentença não absolveu o acusado;

Ajeita o corpo no banco.
Difícil achar posição. Banco duro. Fazem de propósito. Assim, ninguém fica tempo demais sentado. O ar abafado começa a suar na sobrancelha. Que diabos! Tira o casaco. Um furo debaixo do sovaco. Nem percebeu.
210693 no pulso. O aniversário. Do outro lado, “Deus Tudo Pode” embaralhado numa cruz, perto de uma sereia com a cauda que vai até o ombro, desce para o peito, na águia nazista. De onde o gordo está, só dá para ver a cabeça. A suástica fica mais pra baixo. Desfigurada de queimadura.

Considerando que o Conselho de Sentença não reconheceu que o réu agiu sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida à injusta provocação da vítima;

O trem chega à estação Tietê. Levanta, o apito da porta fechando e a sacola com o cachorrinho à pilha quase se prende ao fechar.
Passa a catraca. Entra na rodoviária. Repara aqui, ali, mais outro lá e mais outro. Todo mundo olhando. Uma senhora passa e fecha o casaco com as mãos. Idiota, tem medo até de pernilongo. Tira do bolso o dinheiro, uma nota de dois rasgou-se na ponta.

Considerando que o Conselho de Sentença reconheceu que o crime foi cometido por motivo torpe;

Embola o casaco para servir de travesseiro. Olha as imagens rápidas como quem não vê nada. Tudo novo. A tatuagem “Amor Só de Mãe” nas costas coça. Não dá para alcançar. Que vida! Ir sem rumo. Enfia a mão no bolso e retira o documento: DIP-SP 2905 06/10741.
Sente a coluna doer. Tenta endireitar-se na poltrona. Sente o estalo. O corpo todo quebrado. O cu dói. Redói, ainda da despedida.
O ônibus sai de São Paulo.

Considerando que o Conselho de Sentença reconheceu que o crime foi cometido com emprego de meio cruel;

Anda pela calçada da praia.
A brisa meio morna, meio laranja. Bate a sacola na perna. É outro ar. Sem suor da cambada. Sem bafo de cárie. Sem cheiro de vômito. Sem cheiro de mijo. De bosta socada com o pau. Sem cheiro de gente desgraçada.
Encontra um pedaço de sol caindo. Fecha o olho e deixa bater na cara. Sol sem ser quadrado, sem as sombras das linhas das grades. Sol amarelo, quente.

Considerando que o Conselho de Sentença reconheceu que o crime foi cometido mediante recurso que impossibilitou defesa das vítimas;

Senta no banco. A linha de mar à frente. Coloca a sacola do lado. Desamarra o cadarço. Tira a meia e guarda dentro do tênis. Sente os grãos de areia no chão. O chão. Quente de sol. O concreto morno. O cu para de doer, o fogo nas costas apaga. O pulso coça 210693. O três torto cai para a direita.
Os pés no chão.

Considerando que o Conselho de Sentença reconheceu que o crime foi cometido contra pessoa menor de catorze anos;

Em quinze anos. A primeira delicadeza: a onda molha o dedão do pé. Um arrepio sobe. A perna meio bamba. Deixa a cabeça cair para trás e ouve a lembrança do menino falando “Me dá Um Cachorrinho Papai”!

PELO EXPOSTO e considerando a vontade soberana do Conselho de Sentença, CONDENO o réu CARLOS Queiroz de Almeida

O sol se esconde no céu roxo. Acinzentando. As nuvens grossas. Vai chover daqui a pouco. Silmara pede “Por Favor”! Silmara fala “Não Foi Eu Quem Pegou O Dinheiro”. Silmara explica: “Eu Num Tava Fugindo”. Silmara grita: “Pensa No Menino”. A faca entra. A pele na lâmina parece papel. O estômago enche de sangue. A faca sai. Entra. Sai. Entra. Sai. Entra. Sai. Entra. Sai. O sangue gruda poucos segundos depois. Melaço escorrido no cabo e na mão.

em relação a vítima Silmara Queiroz de Almeida)

Água fria. A sensação de que isso aqui é vida. O mar encostando na pele. O mar, e não pele suada, ranço de sujeira grudando nos pelos, respingo de baba no rosto, porra vazando do cu, sangue espirrado na testa. O mar. O mar encostando no primeiro milímetro.
Abre os olhos.

em relação a vítima Ryan Queiroz de Almeida)

Ryan acordou. “Papai Você Trouxe Meu Cachorrinho”? Aniversário de seis anos. Levanta da cama. Os braços abertos. “Papai, Meu Cachorrinho”. O pijama do Frajola. A cara de traição de Silmara. O quarto turvo. A faca corta as cordas vocais. Um engasgo. Corta os tendões, veias, artérias do pescoço. A cabeça cai para trás. Um engasgo. O Frajola molhado de sangue grosso e escuro.

à pena privativa de liberdade de 44 (quarenta e quatro) anos e 06 (seis) meses de reclusão, no regime inicialmente fechado, o que faço com fundamento no artigo 386, inciso I, do Código de Processo Penal.

Tira o cachorro da sacola. Vira o botão para a direita. Começa a latir. Uma. Duas. Três vezes. Uma cambalhota. Volta a latir.
Tira do bolso o documento. Livre! Deixa cair na areia. O padre perguntando: “Está Arrependido Do Teu Pecado Meu Filho”? Já nem dá pra ver o fim do mar perto do céu. Escureceu. O padre contrai os lábios. Olha para trás, aquele quadrado de janelinhas. Joga o casaco no chão, o portão da penitenciária abre.
Publicada no Salão Nobre do Tribunal Popular do Júri da Comarca de São Paulo/SP, aos 20 de agosto de 1999, às 17h30min, saindo as partes intimadas para os efeitos recursais.

Registre-se.
Cumpra-se.

Água limpa. O corpo imerso na primeira água do mundo. Sal e Deus. Prende a respiração. O menino tenta abraçar o pai. A água batendo no queixo. Afunda no adeus.
Na areia, o cachorro late. Uma. Duas. Três vezes. Dá uma cambalhota.


Leonardo Richner (São Paulo, 1981). Publicou o livro de contos “Você, que nunca mais apareceu” pela editora Penalux. Também publicou com o coletivo 9/fora o livro de contos “Nove História – Nove Autores”.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “210693, por Leonardo Richner

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s