Em ciclo giratório, – a noite que era sóbria, nas bebidas e volúpias constantes – em cruzeiro à deriva… O surto das danças em salão – as alegrias amálgama.
Entre corpos impuros, e excitados aos ritmos musicais – das quimeras cegas. – O adeus estava próximo, nas curvas aprumadas do vento nebuloso, – ao sul da costa, da vida. O vinho deleita os lábios, – das sóbrias vítimas que despejaram as alegrias em mar aberto…
Em segundos, a noite de néctar, – se apossam do inferno terror, de sujeitos pedindo socorro; outros se afogam ao vento frio,
– verdade! Outros se enforcam em cordas à deriva, milhares de corpos boiando, – e o mínimo em embarcação que sofre aos fortes ventos do sul…
Em ciclo giratório, a embarcação, – esvanecer ao sombrio mar…


Gustavo Souza (Piranhas, Alagoas, 1992). Poeta e crítico licenciado em História pela Universidade Federal de Alagoas. Menção honrosa na categoria de novos poetas do Concurso Sarau Brasil da Editora Vivara (2015).

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “Naufrágio, por Gustavo Souza

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s