Enquanto estudava para ser padre, um italiano de Gênova apaixonou-se pela filha de criação da família. Para evitar o amor entre os quase irmãos, os pais o mandaram para o Brasil. Morando em Minas Gerais, conheceu outra mulher, exatamente no dia em que ela buscava o vestido de noiva na loja, para se casar. Nesse encontro entre italianos, os olhos do amor à primeira vista falaram mais que as palavras. A noiva, italiana de Bolonha, se desfez do noivado e se casou com o genovês. Tiveram apenas uma filha, que depois de casada morou em Guaxupé, no Sul de Minas.
Do Líbano, o padre José Youssef Elias partiu de Baino Acar para o Brasil, em 1907. Veio com o filho Nicolau Cury, com a missão de edificar uma igreja cristã Ortodoxa em Guaxupé. Construída entre 1920 e 1930, foi a segunda do país na época. A primeira, em São Paulo.
A missão do padre José Elias foi cumprida, mesmo depois da morte do filho. A namorada de Nicolau escreveu do Líbano para informar que não poderia esperá-lo por muito tempo. Ia se casar com outro. De tristeza, o jovem parou de comer e se desgostou da vida. Morreu de amor, sem tempo de entender o significado brasileiro da palavra saudade.
A terceira história é mista de amor social e familiar. No Líbano, o padre José Elias deixou três filhos e a esposa grávida. Todos só se reencontraram 14 anos depois, em Guaxupé. Foi o tempo necessário para se estabelecer, financeiramente, e conseguir todo o dinheiro da construção da igreja.
De batina preta que cobria os pés, cabelos compridos e presos num coque, o padre viajava muito. Como resultado, a Paróquia Santo Elias abrangeu municípios do Sul de Minas, do Triângulo Mineiro, cidades paulistas e até Anápolis, em Goiás.
A dificuldade de se comunicar em português não impediu o padre José Elias de realizar batismos, rituais religiosos e muitos casamentos. Algumas festanças duravam até sete dias, com farta comida árabe, dança e alegria. Era uma forma de fortalecer a colônia sírio-libanesa na região e no País. E ainda comemorar a força dos amores imigrantes.


Sílvio Reis (Rio de Janeiro, Brasil). É graduado em Jornalismo e exerce este ofício há 30 anos. Autor de pesquisas de linguagem, que resultaram em publicação de livros, atualmente ele se dedica à pesquisa, reportagens e artigos sobre a relação “homem-animal”. Os textos são divulgados em diversos veículos de comunicação e no blog vitorioregio.com

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “A força dos amores imigrantes, por Sílvio Reis

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s