Escrevo sobre “ser” que se constitui em rabiscos no papel. Escrevo sobre a Maria Ninguém de Virgulina, de beira de esquina, aquela que você assassina, mesmo antes de ser Giannina. Escrevo sobre o medo de ser. Escrevo sobre a vergonha de ser. Escrevo antes sobre o que não se pode ser, querendo ser algo, querendo ser alguém. Escrevo e apago. E retorno a escrever. Borro. Apago. Erro. Apago. Sai tudo tão disforme, apesar da certeza, de novo e mais uma vez… Escrevo sobre a pedra abrupta que o tempo há de lapidar… mas não com a morte. Por que pensar no fim, se o início ainda está por vir? Escrevo sobre a lírica, que é uma canção adormecida prestes a entrar em erupção. Escrevo sobre a ação no corpo-carne-concreto… Há firmeza, mas, também, maleabilidade. Uso papel e tesoura. Recorto e colo no quadro world interno. Amasso e jogo na caixa de lixo da memória. Algumas horas depois, recupero o rascunho e volto a escrever. Escrevo no vidro, na parede, na escuridão da humanidade… Escrevo sobre a dor alojada no peito, que sangra, que saúda, que sente saudade de casa. Escrevo e reescrevo sobre uma existência que é texto em construção, sem acabamento definitivo, mas real, de osso, carne e cimento.


Giannina Zorrah (Brasil). Rabisco-concreto no papel-realidade, por ora é isso e ponto final.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “NaCimento, por Giannina Zorrah

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s