Sessão de terapia

Meus poemas resolvo EU!
Conserto minhas próprias líricas
Arrumo meus poemas complexos
Vivo em meus intensos versos
Louca em minhas estrofes

Cada um tem o poema que merece
Por isso, minhas desconcertadas rimas
Se confundem em minha métrica
E se misturam a meus cantos

Estou cheia de poemas
Que extrapolam minha essência
E me atolam na escuridão dos meus poemas
Socorro!
Não sei resolver poemas!
Doutor? Meus poemas têm solução?
Quero psicotrópicos para meus poemas
Não sou louca, SOU POESIA!


Aurilene Sampaio (Ceará, 1982) Professora da rede estadual de ensino, apaixonada por linguagens e artes, passeia por universos distintos na busca por completude.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Aurilene Sampaio

Deixe uma resposta