Os que amaram

Conheci você na subtração dos anos.
No auge da época vulgar,
Em que feitiços de amor e afeto
São quebrados imperativamente em algum lado.
O pior não é a permanência se tornar uma palavra absolutamente desmistificada;
Nem os sentimentos, aqueles que sempre sobram, os resistentes,
Defendendo as lembranças muito mais que a si mesmos,
Debaterem entre si até a vaidade os converterem a um possível estado de quase ódio.
Onde mágoas e ressentimentos são inquestionáveis;
E o pior, nem mesmo é virar uma pessoa amarga.
O pior é o contínuo choque do saber irreversível
De que por mais que se passem muitos anos, o passado com as pessoas nunca
Se tornará uma prova convincente
E condizente
Diante da desastrosa condição de nossos desejos desbotados e corroídos
Por épocas vulgares em que aqueles que um dia amaram
Tornam-se vítimas irreversíveis de um destino ostensivamente esquecido.


Leticia Canedo (São Paulo, 1996). Escreve como forma de protesto contra si mesma.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos, escritor e curador de festas literárias.

Uma resposta para “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Leticia Canedo

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s