A vida está no parque. Luz, cheiro, ar, cores. A liberdade está no parque, no vento que provém da velocidade da bicicleta, do deslizar dos pneus, das curvas que faço como se desenhasse obras de arte. A força está no parque, no verde das árvores, no terreno árido de uma Brasília que seca aos poucos, mas que pulsa sob mim, que promete renascer sempre, que concede a energia necessária para seguir adiante. O presente é esta corrida para o nada, é a entrega do atleta, é o suor que redime, o esforço que me faz sentir que sou humano. Os humanos estão no parque: homens, mulheres, crianças. E sorrisos, abraços, corridas, quedas, gritos, vozes, música. A canção me impõe o ritmo, e eu transpiro a paz de viver plenamente, sem máculas, sem anseios. A morte da mente está no parque. E há jogos, farsas, circos; há amantes e famílias – há de tudo. Há quem ande em coisas que nunca se viu, há patins, skates, bicicletas. E os cães estão no parque, felizes com suas matilhas, perguntando-se como eles conseguem. Como eles conseguem? A dúvida que se evapora no parque, na mente de lobos domesticados, até isto há no parque. E eu corro, corro, corro. Fico em pé sobre os pedais, olho ao longe, em toda a imensidão desse lugar sublime: não quero parar. Quero que se eternize a comunhão que me faz crescer, alheio ao tempo. Há sonhos no parque, e sonhadores que passeiam querendo, querendo ter o que não se pode, quando se tem tudo ali, quando bastaria ver como tenho a sorte de ver, porque o parque já está dentro de mim, porque não há diferença entre nós, porque as cores se misturam. Os cheiros, caóticos, são a brisa e o vento e o olhar risonho da criança que conseguiu dar as primeiras pedaladas. Há tanto no parque que não posso dizer, que a expressão se esvai, o pensamento foge, e só me resta esse fluxo de energias que produzem palavras desconexas, essa verve que não é minha, essa alma universal. O parque fala em mim. Sorrio. Estaria louco? A loucura que nos liberta assim só pode ser uma benção. Benção de onde? Quem há de dizer? Agradeço a quem me abençoa assim, gratuitamente, e pedalo, pedalo, pedalo. O parque se oferece a mim como o paraíso que ninguém vê, como a realidade que todos negam. E no entanto, está aqui, o parque sou eu, a expansão se fez, o milagre brotou do chão alaranjado. E ninguém viu. Ou talvez não. Talvez eles vejam como eu. Talvez por isto estejam aqui, congregando embaixo das árvores imponentes, esbarrando-se, cumprimentando-se, conversando, discutindo, comendo pipoca, tomando água de coco. A humanidade, é o que sinto por fim, também está no parque.


Caio Lobo (Recife, 1979). Colunista da Philos, é formado em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco e Mestre em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília. Leitor compulsivo e romancista. Lançou recentemente o seu livro Liberdade pela editora Kazuá.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “Passeio no parque, por Caio Lobo

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s