Oceano noturno

Oceano noturno de vasta extensão e negrume,
A ti, contemplo com terrificante fascinação!
Que criaturas abissais, hediondas, habitam em teu seio?
Segredos ocultados por tênue epiderme,
Superfície de calma e monótona aparência.

Vejo-me em ti…
Em teu fúnebre silêncio…
No horror que assoma aos que tentam desvendá-lo.

Oceano noturno, és minha alma!

Ao Mar… Na noite… Tempestade!
Hora mais difícil de navegar!
A quantos já devorastes, insaciável maelström de almas?
Outros tantos conduzistes à Loucura…
De tuas entranhas paristes Syla e Caríbides…
Ao insano Ahab destes um eterno lar…
Em ti, o astuto Odisseu expiou suas culpas…

Oceano noturno…
Lugar de solidão e melancólica beleza.
Vejo-me em ti…


Pedro Ferreira (Salvador, 1972). Poeta e contista, músico e artista plástico diletante.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural pernambucano baseado no Rio de Janeiro. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.

One thought on “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Pedro Ferreira

Comentários

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s