Poeira cósmica

Eu não havia percebido a quantidade de células que o meu corpo perdeu.
Os fios de cabelo e as unhas que já fizeram parte de mim, mas que se desprenderam.
Sendo abandonado pelas menores partículas que vão sendo substituídas,
Sinto a fogueira interna iluminar a perda do que já foi essencial ao meu corpo.
A destruição das moléculas que criaram seres complexos e improváveis da vida.
Assim como vieram e compuseram, partiram e deixaram a máquina humana ainda funcionando.
Desligando-se e adquirindo o direito de não existir, ainda perdida no espaço em outra forma.
O instante que sobreviveu e que teve o seu tempo para começar e o seu para acabar.
O retrato do que aguarda a todos e a leve lembrança do que aconteceu.
O encontro do passado com o presente, apontando a futura certeza determinada.
E isso reanima as sensações que passaram, mas que estruturaram sem deixar perceber.
E permaneço na agonia de perceber que o tempo passava e eu não estava percebendo.
O acúmulo de coisas que não eu pensava reunir e perder sem perceber.
Todo um estresse não planejado que recebi mesmo sem pedir ou sem acreditar precisar.
A vida oferecendo coisas sem utilidade, que, juntas, podem continuar a não fazer sentido.
Tudo aquilo que de dúvidas e de incertezas é acumulado e que nunca será solucionado.
Tudo está se acabando, tudo está virando poeira.
Tudo o que foi importante morrerá ou adormecerá para sempre.
A surpresa de lembrar que tudo vai se deteriorando, virando novos sedimentos esquecidos.
O espanto de ser surpreendido pelo que sempre esteve aqui perto.


Rene Bezerra (Fortaleza, 1996). Estudante de Administração e escritor amador, que escreve para libertar o próprio pensamento.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Escritor e Editor chefe da Revista Philos. Biomédico e Mestre em Genética pela Universidade Federal de Pernambuco. Cursou História crítica e social do pensamento, da literatura e das Artes (Portugal). É co-fundador da casa editorial Camará Cartonera e do Espaço Cultural Maus Hábitos (Brasil). Autor dos livros A tarde dos elefantes e outros contos (2014), Polissemia (2015) e Olhos de Onda (2016). Artista visual e colaborador do Espacio Cultural Violeta (Chile) e do Colóquio Escrever nas Margens (Portugal). Colabora com diversas revistas de literatura latina na Europa e América Latina.

One thought on “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Rene Bezerra

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s