Quanto vale uma palavra

Quanto vale uma palavra?
Quanto vale uma palavra?
Vamos por peso, tamanho e comprimento nelas.

Quanto vale uma palavra para mulher que é refém do medo, aquela que gritou por anos sem liberdade ou para mãe que ouviu as primeiras palavras do filho ainda menino, ou do surdo que ouviu as primeiras palavras aos 30 anos?

Quanto vale uma palavra para os irmãos e irmãs de raça, gênero ou religião que sonham em ser livres?
Quanto vale uma palavra?
Quanto vale uma palavra?
Uma vez que a história se repete, de novo, de novo), de novo, de novo….
e nada é novo!

Quanto valeram as palavras de Malcolm X, George, Mandela, Gandhi, Nietzsche?
Quanto valeram as palavras de Hitler, Napoleão, Calígula, Raposa (Ljubomir Kerekes)? Quanto valem minhas palavras agora?
Ei é uma pergunta?
Quanto valem minhas palavras?
Agora com o silêncio quero a resposta!
Sim com o silêncio, Pois tem horas que quem vale mais
é o silêncio ou as palavras mal ditas?


Dayvton Almeida (Recife, Pernambuco). Autor, radialista, ator e diretor de teatro. Passou boa parte de sua infância na capital pernambucana, e sempre foi notado pelo seu talento para as artes. Mora atualmente na cidade do Moreno (PE), membro fundador da Academia Morenense de Letras e Artes (AMLA) e correspondente da Academia Luminescência Brasileira. É estudante de Psicologia, técnico em rádio e TV pela Universidade Mauricio de Nassau e cursou teatro na Escola de Artes João Pernambuco.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Neolatina: Mostra de poesia negra contemporânea, por Dayvton Almeida

Deixe uma resposta