Terra mãe

Minha terra era minha morada
Minha terra era minha vida
Minhas florestas
Meus rios, meus bichos
Minha língua, minha alma
Minhas asas.
Eu corria, eu caçava
Eu dançava, eu sorria.
Eu era rico, fui um príncipe
Agora sou mercadoria.
Eu era um pedaço daquela terra
Agora sou uma coisa no mundo.
Naquele dia…
Naquele dia me tiraram tudo.
Fui abduzido:
A luz tornou-se escuridão
Sem piedade fui lançado num alçapão.
Aquele navio…
Naquele navio.
Me trouxeram para terras distantes
Minhas florestas, canavial
Meus rios, pantanal
De homem à animal.
Meus bichos:
Morcegos que sugam meu sangue,
Agora não corro mais,
Não caço, sou caçado.
Minha dança virou lamento
Meu canto, sofrimento
Meu sorriso, um choro constante.
De príncipe à sapo
Da tribo à reclusão
Da veste ao trapo
Do amor à solidão
Da liberdade: Escravidão.


Paulão de Oliveira (Espírito Santo, 1961). Formado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Espírito Santos – UFES.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural pernambucano baseado no Rio de Janeiro. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.

One thought on “Neolatina: Mostra de poesia negra contemporânea, por Paulão de Oliveira

Comentários

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s