Mundaréu

Ó mundaréu à vista
que ao poder estás sentado
com a mão no biscato
todo escarranchado

Venha o juízo desse teu poder
nesse valor sem freio
e no teu vómito venhas a morrer
sem qualquer direito

O povo grita
sem eira nem beira
sem princípios, geme, aflito
em tua estrutura de areia

O planeta esperneia ao vento
chorando a maldade, na forte chuva
o fogo queima a terra em lamento
e os fundamentos tremem de dúvida

a tempestade surge
a calamidade ruge
e o furacão, não tem piedade

Caiam as armas da tua glória, ó mundaréu
nesse teu àvido amor forjado

A Deus seja dada toda a glória
pela promessa
que ao seu povo tem dado

A boca do livre está néscia, e a língua do fanático conduz à violência.
A balança enganosa da razão leva o mundo à falta de senso e o peixe está a chafurdar no enredo da política do mundaréu deste tempo.


Ilda Pinto (Portugal, 1961). Autora, literária e artista plástica de técnicas mistas de colagem sobreposta. Vencedora do 3° lugar do prémio Literacidade 2014 Prosa-Crónicas, Prémio Clarice Lispector de Literatura, 2015- Contos pela Editora Comunicação e 3° lugar no Prémio Castro Alves de Poesia.

One thought on “ Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Ilda Pinto ”

Comentários

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s