Renda-se

O toque dos dedos dela em sua face
Despertava-lhe uma sensação de frenesi;
Seu corpo se derretia num calor ardente.
O castanho do seu olhar
Escondia todo um mistério
Que ela desejou incessantemente desvendar;
Penetrava em seus olhos uma profundidade de desejo,
De loucura, de insanidade, de deleite;
Ansiava pelo momento da revelação,
De saciar a sede de beijos ardentes,
De arrepios na pele carente,
E de carícias eloquentes
Na entrega envolvente
De uma doce rendição.


Rogelma Sousa (Itapipoca, Ceará). Formada em Letras-Português pelo Instituto de Estudos e Pesquisas do Vale do Acaraú-Iva (UVA). Professora da rede privada, leitora compulsiva e escreve por inspiração. Autora do conto Amor à primeira vista e das poesias: Espelho da alma e Noite frias, todos publicados na Revista Philos.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Rogelma Sousa

Deixe uma resposta