O Diabo existe, atende pelo nome de Gusmão, tem 34 anos de idade humana, e trabalha no call-center de uma operadora de tevê a cabo. Ignore a parte do call-center, e, assim como eu, verá que o Diabo é um sujeito legal. Quando Deus desistiu do ser humano, Gusmão, que até então andava entediado pelo inferno, fez as trouxas e emergiu na terra como um pobre coitado obrigado a começar uma nova vida. Poucos meses depois de emergir, apaixonou-se por Alice. Fazendo uso de uma sinceridade pura e mordaz, Gusmão contou a Alice de seu passado infernal. Para sua surpresa, Alice não se importou. Vinha de relacionamentos com caras mais fodidos que o tal capiroto recém-chegado. Namoraram, fizeram planos, noivaram e casaram-se no civil um ano e meio depois do primeiro beijo. Gusmão e Alice não querem filhos. Moram numa casa pequena na parte alta de Maceió. Ela é professora de matemática em escola pública, e, como já foi dito, ele trabalha no call-center de uma operadora de tevê a cabo, mais precisamente no setor de cancelamento. Pai da mentira, como ficou popularmente conhecido, Gusmão é um funcionário exemplar em seu setor. Dia desses, na hora do almoço, me contou da sua vida, de como amava Alice, e da felicidade por finalmente estar num inferno onde a máxima “matar, roubar e destruir” é praticada por todos os homens. Na última vez que nos vimos, perguntei de Deus, rindo como o Diabo, Gusmão confidenciou: “Criou um mundo novo, onde os habitantes são os cães, gatos e capivaras. Agora passa os dias sorrindo, comendo fruta direto do pé, tomando banho pelado no novo Rio Amazonas”. Segundo ele, Deus andava estressado, puto da vida com o que fizemos com a criação dele. Agora, tanto Deus quanto o Diabo estão felizes. O criador num mundo de cães, gatos e capivaras. O destruidor, num mundo de cancelamentos que nunca são efetuados, e de uma humanidade que se autodestrói. “Bom dia, bem-vindo ao mundo net, sou seu, atendente Gusmão, com quem eu falo?”.


Francisco Carvalho (Maceió, 1988). Escritor, poeta, professor de História, atendente de call-center.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos.

One thought on “O Diabo entre nós, por Francisco Carvalho

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s