As flores vibram (apenas luz)

Tão pura e delicada! Em brisa ao canteiro de flores. E a observo com tanto fulgor, em movimento sutil ao sol que fulge o alvorecer (do pomar…).
Tão leve e frágil aos horrores humanos que a destrói! (Nos descaminhos).
Destrói a essência, que se ausenta ao ímpio homem em seu (dia-a-dia).

Ao tocá-la com amor, percebo a dor…
O silêncio, ou o canto dos pássaros? Qual deseja?
Desejo tocar, sentir e, se possível, ouvir a brisa forte do (amor).

Em fluído puro, tento absolver uma luz a caminho do meu ser. (que tento acender…).
É apenas uma flor, tão límpida exposta ao sol…


Gustavo Souza (Piranhas, Alagoas, 1992). Graduado em História pela Universidade Federal de Alagoas de Delmiro Gouveia, Campus Sertão, e tendo publicado em revistas e antologias brasileiras diversas poesias, poemas e prosas.

Posted by:Jorge Pereira

Produtor cultural e agente literário pernambucano baseado no Rio de Janeiro e São Paulo. Fundador da Casa Philos e editor-chefe da Revista Philos. Curador de festivais literários e de arte contemporânea.

Uma resposta para “Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Gustavo Souza

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s