Sem título

não escrevo versos
sobre o que sou, e sim sobre o
percurso que posso ter.
nada sou enquanto não escrevo versos.
embaraçada e um pouco desalinhada,
assim é a minha sombra na palavra.
mas tudo que é bom
não é perfeito.
é preciso passar por
algum tipo de prisão íntima
para depois descansar.
meus nervos são apenas
respirações abafadas,
nada mais que o “mais”,
e um pouco mais.


Iunes Alves (Rio de Janeiro, Brasil). Graduando em História, nascido na cidade do poeta romântico Casimiro de Abreu. Professor de História, mas dentro de seu coração existe um amor intransponível por literatura.

Publicado por:Jorge Pereira

Recifense, produtor cultural, editor-chefe da Revista Philos e criador da Casa Philos.

Um comentário sobre ldquo;Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Iunes Alves

Deixe uma resposta