Sem título

E elas que até parecem buscar
No meio do mar
E em qualquer lugar,
Nas trevas da noite,
Na claridade do dia,
No ventar da praia,
Ou até mesmo
No estático dos prados
Mais do que profissionais
E até divinas,
Me fazem lembrar
De outras orquestras,
Em outros palcos,
Que tão bem quanto elas
Desviam pausadamente
Ao passear de cada nota
E se findavam
Como no fim do horizonte,
Ou do poço;
Como no fim de cada pauta
E se desfaziam.
Grandes músicas
Que me faziam
Perder de vista
O tempo
Que não se perde
Ao vê-las brilhar
Lá no céu
Ou em qualquer lugar.


Josué Sousa (Fortaleza, 1998). Atualmente acadêmico de enfermagem na Universidade Federal de Pelotas.

One thought on “ Neolatina: Mostra de poesia lusófona, por Josué Sousa ”

Comentários

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s