sintoma

Saber, sentir
que respiramos é tão
crucial quanto
a inspiração
em sim.

Não sentir, ao
puxar o ar, a
ventilação, os
nervos não
dizendo
que
estamos em
pulso de vida,
atentos. Diante
disso, sei: existo.

De forma qual,
sem saber a que
inspiro, reviro
o sentido
voltando ao

princípio:
nudez do teto
do crânio ao
assoalho dos
dedos,

duas vezes
mais uma vez.

síntoma

Saber, sentir
que respiramos es tan
crucial en cuanto
la inspiración
en sí.

No sentir, al
estirar el aire, la
ventilación, los
nervios no
diciendo
que
estamos en
pulso de vida,
atentos. Delante
de eso, sé: existo.

De forma cual,
sin saber a que
inspiro, reviro
el sentido
volviendo al

principio:
nudez del techo
del crânio al
suelo de los
dedos,

dos veces
más una vez.

Tradución de Souza Pereira


Felipe Ribeiro (Rio de Janeiro, Brasil). Lançou recentemente o seu segundo livro, Tijolos de Silêncio, onde se utiliza de uma construção delicada e crítica acerca da contemporaneidade e dos muros que construímos ao nosso redor. Também é autor do livro Amargo Embargo, publicado em 2014 pela Editora Multifico.

Posted by:Souza Pereira

Souza Pereira (Recife, 1994). Editor chefe da Philos, escritor e curador de festas literárias.

Uma resposta para “neolatina: sintoma de Felipe Ribeiro

Comentários encerrados.